Processo de João de Góis Cochilha

Crime/Acusação

judaísmo

Data da prisão

20/11/1720

Estado civil

casado

Estatuto social

cristão-novo

Idade

46 anos

Mãe

Leonor Mendes, parte de cristã-nova

Morada

Beja

Naturalidade

Beja

Origem

Inquisição de Lisboa

Pai

Luís de Góis, cristão-novo, curtidor

Sentença

21/10/1723. Absolvido na Sala do Santo Ofício, levantado o sequestro de bens.

Cônjuge

Branca Nunes

Cargos, funções, actividades

negociante

Notas

O réu, antes de ser preso pela Inquisição de Lisboa, já tinha sido preso pela Inquisição de Évora em 22-10-1720.