Processo de Rosaura

Crime/Acusação

bigamia

Data da prisão

30/01/1764

Estado civil

Casada

Estatuto social

índia

Idade

36 anos

Mãe

Viruru Mau

Morada

fazenda de São Lourenço do Guarape Grande, bispado do Pará, Brasil

Naturalidade

Gupuras, Rio Solimões, Brasil

Origem

Inquisição de Lisboa

Pai

Jangaré

Cônjuge

Ventura, índio

Cargos, funções, actividades

trabalhadora

Notas

Por assento da Mesa do Conselho Geral do Santo Ofício, de 11/10/1768, foi ordenado que a ré fosse admoestada para que fizesse vida com seu primeiro marido. A ré foi entregue ao cárcere de Lisboa a 30/09/1768. A ré, que trabalhava na fazenda pertencente aos religiosos da Ordem de Nossa Senhora das Mercês de Guararape Grande, contraiu um segundo matrimónio com Francisco, do Terreiro da fazenda e administração dos religiosos de Fazenda de Vale de Cães, mais tarde um terceiro matrimónio com Paulino, índio, pedreiro da mesma administração.

Outras formas do nome

Rosa