Processo de Álvaro Rodrigues

Crime/Acusação

judaísmo

Data da prisão

23/09/1599

Estado civil

casado

Estatuto social

cristão-novo

Idade

30 anos

Mãe

Joana Lopes, cristã-nova, confeiteira

Morada

Lisboa

Naturalidade

Lisboa

Origem

Inquisição de Lisboa

Pai

Gonçalo Rodrigues, cristão-novo, sapateiro

Cônjuge

Inocência da Orta, cristã-nova

Cargos, funções, actividades

confeiteiro com loja

Notas

Por despacho de [25/06/1603] assentou-se dar ao réu cárcere e hábito penitencial perpétuo, sem remissão e que fossem confiscados os seus bens. Em 12/07/1603, o réu faleceu no cárcere. Em 10/03/1604, foi publicada uma "Carta Citatória Edital" a dar conhecimento aos herdeiros para estes, se lhes aprouvesse, defenderem a memória, fama e fazenda do réu.