Processo de Manuel Lourenço Flores

Crime/Acusação

poligamia

Data da prisão

14/02/1754

Estado civil

casado

Estatuto social

cristão-velho

Idade

38 anos

Mãe

Maria da Porciúncula, padeira

Morada

Lugar de Tapucurá, freguesia de São João de Taburaí, bispado do Rio de Janeiro

Naturalidade

freguesia de Nossa Senhora da Conceição da vila de Santa Cruz, Ilha das Flores, bispado de Angra

Origem

Inquisição de Lisboa

Pai

Francisco Lourenço, "o Tecelão"

Sentença

auto-da-fé de 23/12/1759, na igreja do Real Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Abjuração de leve, açoutado publicamente, 10 anos de degredo para as galés, penitências espirituais.

Cônjuge

Maria Pimentel, primeira mulher

Cargos, funções, actividades

roceiro e barqueiro

Notas

No Brasil, o réu casou segunda vez com Maria Vieira, terceira vez com Maria das Neves, quarta vez com Maria da Conceição, quinta vez com Rosa Maria da Conceição e sexta vez com Ana de Sousa, em 1751, sendo viva a sua primeira mulher. Foi também acusado de fuga dos cárceres aproveitando o terramoto de 1755.

Outras formas do nome

João Pereira , Manuel Pereira Braga, Manuel de Jesus